Arquivo da categoria: Arquivos do “Pitakando”

Os Limites do Medo!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em outubro/2010]

Quem me acompanha sabe que tenho pânico de agulha e, recentemente, quis superar esse medo.
Pelo Sangue Corinthiano, que incentiva torcedores a salvar vidas, eu chorei, tremi, fiquei pálida, com as pernas moles, mas fiz a minha parte e doei um pouco do meu sangue alvinegro.

Aproveito a oportunidade para apresentar a série “Os Limites do Medo”, produzida por mim para o jornal Fala Brasil. Você sabe por que temos este sentimento, que pode ser de um perigo real ou irracional?
O medo que nos protege e nos mantém vivos também pode se tornar um problema, uma fobia… Nessa hora, atrapalha nossas vidas impedindo de fazer coisas cotidianas como sair na rua, ir a um banco, dirigir, enfrentar um elevador ou a altura.
Ao todo, são cinco reportagens que tentam explicar esse sentimento. Abordamos os mais diferentes tipos de fobias e como tratá-las.

Você tem MEDO do que?

Você enfrenta seus MEDOS?

O MEDO na profissão!

MEDO que atrapalha!

MEDO do bem!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"

Parabéns Corinthians!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em setembro/2010]

Só quem é sabe o sentimento de um Corinthiano quando o assunto é o CORINTHIANS.
Felicidade, ansiedade, nervosismo, alegria, tensão, empolgação, euforia, coração acelerado…
Uma mistura de tudo isso, multiplicado por mil, não chega aos pés de como todos os loucos do bando, cidadãos da Republica Popular do Corinthians, se sentiram no dia 1º de Setembro de 2010!

Parabéns pra você,
Nesta data querida,
Muitas felicidades,
Muitos anos de CORINTHIANS… Pra todos nós
!

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"

Pavor, satisfação e vidas salvas!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em agosto/2010]

No sábado, dia 7 de agosto de 2010, acordei 6h da manhã, para ir ao Hospital das Clínicas… Era o primeiro dia da 6ª edição da Campanha Sangue Corinthiano e minha primeira contribuição neste projeto.

Sentia um misto de alegria, por participar de algo tão grandioso e importante, ao mesmo tempo em que o desespero me dominava por ter que me deparar com uma agulha grande e gorda… E bota gorda nisso!

Já na Pró-Sangue comecei a ver os Corinthianos chegando, vestindo seus mantos, sozinhos ou em grupo, dominando os corredores e salas. O clima é indescritível! Impagável! Não há nada melhor do que ver nossa torcida, que já é especial, trabalhando por algo tão nobre: SALVAR VIDAS!

Apesar do meu pavor de agulha, vestida com a camisa do Timão, peguei a fila do cadastro e, depois de furar meu dedinho gordo DUAS vezes, descobri que não podia doar sangue… Não agora! Estou temporariamente anêmica.
(Aqui faço uma pausa na minha “narrativa dramática” para perguntar: como pode alguém de “dedos” tão gordinhos estar com anemia?!)

Desde então, passei a comer feijão todos os dias, carne e matinhos verdes escuros, ricos em ferro, para refazer meu exame no final da campanha … Salvar minhas primeiras quatro vidas com a bolsa de sangue que doarei.

E você, já foi doar sangue? A sensação de ver os enfermeiros e médicos com sorriso de satisfação por estarmos lá merece ser sentida por todos. Corinthianos ou não!

Inclusive, uma xará minha, é um exemplo a ser seguido. Torcedora fanática do São Paulo, vestindo as roupas de seu time, compareceu ao Hospital das Clínicas e, com muito orgulho disse: “Vim doar pela Campanha Sangue Corinthiano!”. Quando vemos ações assim entre torcedores? Ela terá meu respeito por toda a vida.

Se você não sabe, os estoques de sangue dos hemocentros pelo País estão sempre abaixo do nível ideal. Toda ação é bem vinda.
Só para se ter uma ideia, no primeiro dia desta edição, alcançamos a marca de 64% a mais de doações que nos sábados normais.

Foi gratificante e a Campanha Sangue Corinthiano continua. Até o dia 31 de agosto você pode doar e nos ajudar a alcançar a meta proposta para o aniversário do Corinthians: 100 anos de História, 100 mil vidas salvas!

Vista sua Camisa – do Corinthians ou de outro time – e Doe Sangue! Salve Vidas! Depois, venha me contar…

Para saber mais sobre a campanha, acesse http://www.sanguecorinthiano.com.br.

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"

Eu, minhas séries e os truques da vovó!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em agosto/2010]

Posso enlouquecer quando estou produzindo minhas séries mas, ao vê-las no ar, dá uma satisfação sem igual. Passo duas semanas dormindo e acordando com os personagens na cabeça, pensando no que ainda falta, se vai dar tempo de fazer tudo no prazo, se realmente o entrevistado era o melhor… Depois, durante cinco dias, só assisto orgulhosa!

Hoje, venho ao blog para postar os links da primeira delas, exibida no jornal Fala Brasil: Os Truques da Vovó!

Quem está em “contenção de despesas” como eu, pega papel e caneta e anota as receitinhas caseiras que vão aparecer nas reportagens. São dicas preciosas do tempo de nossas avós.

1. Para dar fim nas indesejadas celulites e estrias

2. Deixar as unhas e cabelos mais bonitos

3. Para queimar gordura sem suar na academia

4. Contra manchas na pele e para dar fim nas rugas

5. Saúde em dia

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"

“Estado de contenção de despesas”!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em julho/2010]

Eu, Débora Alaguera, uma candura de mocinha Corinthiana, venho por meio deste post decretar meu “Estado de Contenção de Despesas”.

Declaro para todos os fins que, a partir deste momento, estou economizando para a viagem de férias.
Ficam suspensas as baladas, botecos e aventuras gastronômicas em estabelecimentos que não aceitem o “santo” Visa Vale. Bem como qualquer presentinho de aniversário, dia dos Pais, das Crianças, Natal ou eventuais mimos.

Estão mantidos apenas os gastos com os jogos do Corinthians, tanto para compra dos ingressos como da cerveja necessária para brindar o Glorioso Timão antes e depois das partidas.

O “estado de contenção de despesas” só impede que sejam aceitos convites que tenham custos. Os demais continuarão sendo prestigiados.

Imediatamente após o pagamento da viagem, o “estado de contenção de despesas” será revogado.

Conto com a compreensão de todos.
Sem mais!

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"

Ah não, meu celular não, de jeito nenhum!

[Arquivo do meu antigo blog – Postado em novembro/2009]

Quinta-feira, dia 12 de novembro de 2009, primeiro dia de retorno ao trabalho pós-férias e tudo sob controle na tv! Até estranhei… À noite, resolvemos comer japa e colocar a fofoca em dia. Só então entendi o porquê da calmaria: a emoção do dia ainda estava por vir!

Trânsito parado, calor para vidros fechados e frio para ar condicionado ligado. Fomos tagarelando e revezando o sobe e desce do vidro. Por motivos de segurança (ou falta dela) a parte do se refrescar com o ventinho da noite só rolava quando o carro estava em movimento. Parou, dedo no botão para fechar tudo.

Passamos pelo Minhocão, Elevado e pegamos a saidinha para a Avenida 23 de Maio. Em uma fração de segundos, entre o momento “calor e frio”, aparece um pivete com um pedaço de ferro na mão e os olhos esbugalhados: “vai, passa o celular (seguido de muitos palavrões)!”

Nem pensar que ia dar meu celular novo, branquinho, lindo, útil =) assim tão fácil. Ainda mais para um assaltante que tinha a altura do meu carro. Aí disse que não tinha celular! #respostatosca

O pirralho com cara e olhar de anos de experiência em assaltos disse: “to vendo aí, oh (+palavrões não muito pronunciáveis para o blog não ser proibido para menores)”

Confesso que até pensei em descer e dar umas porradas nele (visualizei isso com satisfação), mas também pensei que poderiam vir outros maiores e com ferros mais pontiagudos!!!

Eu tentando fechar o restinho do vidro e o moleque segurando com o braço. O trânsito paradaço! Nenhuma esperança de tudo liberar, a polícia aparecer e nos livrarmos do infeliz. Era uma cena digna de flagrante do SP Record.

Planejei tudo: como segurar o braço dele sem que acertasse meu rosto com o ferro, fechar o vidro e salvar meu celular lindo! Fui arquitetando rapidinho na cabeça (pareceram horas!).

Para garantir que não alcançasse o aparelho no meio das minhas pernas, joguei nos pés da Sheilinha, que estava de passageira!

De repente, uma buzina alta e nós três paramos tudo (até de pensar, certeza!) e olhamos pra frente. Um santo motoqueiro estava abrindo espaço naquele caos para andarmos com o carro.

Andei Ó-b-v-e-O, com o menino meio penduradinho, até que se soltou. O motoca berrou com ele, tentamos agradecer, coração disparado. Ufa! Passou!

Foram cerca de 100 metros, que pareceram quilômetros. Tudo parado novamente. Um mar de carros na 23 de Maio e a sensação de que a operação “reação” foi realizada com sucesso o/

Hoje, longe do calor dos fatos, penso: ele poderia ter voltado, afinal de contas, estava a menos de 100 metros. A gente faz cada coisa por um celular lindo, branco, novo, tudo =| #semnoção

Deixe um comentário

Arquivado em Arquivos do "Pitakando"